Núcleo de Análise Papiloscópica do estado já identificou cerca de 15 pessoas desaparecidas

Desde a criação do Núcleo de Análise Papiloscópica no estado, há pouco mais de um ano, já foram registradas em torno de 15 ocorrências envolvendo identificação de pessoas.

Na última, o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) enviou um ofício ao Núcleo de Análise Papiloscópica do Instituto solicitando a identificação de um paciente sexagenário que havia sido encontrado vagando sozinho por uma rodovia.

“Não apenas positivamos a identificação do idoso, como também cruzamos dados com fontes abertas de pesquisa , como a internet, através das redes sociais, para localizar a família, que o procurava há dias, na cidade de Maruim e redondezas”, ressalta o papiloscopista Lucas Pinheiro.

O endereço encontrado pela equipe foi repassado para a assistência social do hospital que fez o contato com os parentes e deu à busca um final feliz.

A resolução deste caso está entre a lista das 15 pessoas identificadas pelos papiloscopistas. Inclusive reconhecimento e positivação de pessoas originárias de outros estados, como Espírito Santo e Rio Grande do Norte.

Serviço

O Instituto de Identificação fornece principalmente o reconhecimento de pessoas em situação vulnerável, que não portam documentos e não conseguem se comunicar por exemplo.

Além destes,  identificação de  cadáveres é um dos segmentos que mais sensibiliza os agentes, segundo Lucas Pinheiro. “Na medida que oferece dignidade e notícia aos parentes sobre alguém que seria enterrado como indigente, destaca.

 

Fonte: http://www.ssp.se.gov.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *