A papiloscopia, ciência que estuda as impressões digitais, é uma das mais poderosas ferramentas forenses para se chegar à autoria de um crime. Desde meados da década de 1990, observa-se que a comunidade científica tem se dedicado ao desenvolvimento de métodos analíticos para explorar os componentes químicos presentes nas impressões digitais e contribuir para uma investigação policial.

Com essa ideia, o Papiloscopista Policial Federal Marco Antonio de Souza, concluiu, nesta terça-feira (23/08/2022), o seu doutorado em nanociência e nanobiotecnologia pela Universidade de Brasília. Na pesquisa, o PPF identificou traços de cocaína em impressões digitais, a partir da utilização de nanosensores de ouro e ainda, utilizou a espectroscopia vibracional e ferramentas estatísticas para construir modelos de classificação utilizando amostras com características conhecidas, para discriminar indivíduos do sexo feminino ou masculino, a partir de suas impressões digitais, que foram submetidas a diferentes condições de armazenamento. Considerando um período de até 30 dias a partir da coleta da impressão digital, os resultados mostraram taxas de discriminação correta variando de aproximadamente 80-93%.

Matéria completa: https://sindipoldf.org.br/noticias-sindipoldf/tese-de-doutorado-de-papiloscopista-da-pf-indica-como-as-informacoes-quimicas-das-impressoes-digitais-podem-ser-uteis-em-uma-investigacao/

Fonte: sindicato dos policiais federais no distrito federal (sindipoldf.org.br)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *